Caco da Rosa - Morre um dos maiores estudiosos da Guerra do Contestado
Apareceu aqui, virou notícia!
(49) 9111 4055
Previsão do Tempo
14-08-2018 | 10:12
LUTO28/12/2017 às 08:45

Morre um dos maiores estudiosos da Guerra do Contestado

Morre um dos maiores estudiosos da Guerra do Contestado
Foto:Reprodução internet

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e o Conselho Estadual de Cultura (CEC) expressam os seus pesares pelo falecimento do professor, escritor, compositor e historiador Vicente de Paula Teles, que partiu na manhã desta quinta-feira, 28, aos 85 anos. Nascido na histórica Irani, onde viveu até seus últimos dias, Mestre Vicente foi a voz do Contestado.

Vicente de Paula dedicou as últimas quatro décadas à missão de tirar das sombras parte ainda sepulcra do legado da Guerra do Contestado (1912-1914): a do povo caboclo, no caso os “vencidos” daquele que foi o maior conflito bélico ocorrido no Brasil. Na colheita de relatos e histórias de remanescentes e descendentes construiu um peculiar e rico cabedal memorial que se traduziu em textos, palestras e na música. Sua última obra, a “Aquarela do Contestado”, virou um espetáculo encenado em março deste ano em Florianópolis.

Neto de um caboclo que combateu ao lado do Exército Encantado liderado pelo monge José Maria, Vicente compôs a sua aquarela tendo como cenário a batalha que desencadeou a guerra, em 22 de setembro de 1912. Ocasião em que os caboclos impuseram uma sangrenta derrota aos soldados comandados pelo coronel João Gualberto.

O palco da Batalha do Irani se avizinha a menos de um quilômetro da propriedade onde viveu até seus últimos dias e lá ainda repousam os restos mortais dos caboclos e do monge José Maria. Em sua residência recebia rotineiramente grupos de estudantes, pesquisadores de universidades e interessados na Guerra do Contestado. Integrando-se aos espaços sagrados, como o Cemitério, o Museu e o Parque do Contestado, Vicente era um memorial vivo sobre a história daquele conflito.

O Contestado é marcado pela sua complexidade: da discussão dos novos limites geográficos entre Santa Catarina e Paraná, a sanha por poder dos coronéis e líderes políticos locais e a chegada da Estrada de Ferro Brasil-Rio Grande e a companhia norte-americana Southern Brazil Lumber Southern Brazil Lumber & Colonization Company, ambas controladas pelo magnata nova-iorquino Percival Farquhar. A população cabocla, até então dedicada à cultura de subsistência e à exploração da erva mate, se viu à margem do processo, ou melhor, expulsa de suas terras, marginalizada e perseguida. Mas por anos, esse lado da Guerra permaneceu em silêncio, foi subjugado em massacres e numa verdadeira limpeza étnica, até que, ao final da década de 1970, Vicente resolveu dar voz a saga cabocla.

Se em uma guerra a primeira vítima é a verdade, o tempo se encarregou de conferir a Vicente Telles o poder de fazer justiça histórica. A FCC e o CEC expressam neste momento gratidão à memória deste bravo catarinense e se solidariza com seus familiares, amigos e o povo de Irani.

“Minha música é movida pela dor. Em minhas composições, trabalho artesanalmente com palavras e notas musicais que nascem do sentimento histórico de nossa aldeia contestada”. Mestre Vicente de Paula Telles (1931-2017)

Fonte: Assessoria de Imprensa/Fundação Catarinense de Cultura

Comentários
Publicidade
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui