Apareceu aqui, virou notícia!
(49) 9111 4055
Previsão do Tempo
23-07-2019 | 11:14
SAÚDE11/07/2013 às 15:23

Dilma sanciona lei do Ato Médico com vetos

Dilma sanciona lei do Ato Médico com vetos
Foto:Divulgação

A lei que regulamenta o exercício da medicina, o chamado Ato Médico, foi sancionado pela presidenta Dilma Rousseff, com vetos. O texto aprovado, que estabelece atividades privativas dos médicos e as que poderão ser executadas por outros profissionais de saúde, está publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União.

O Artigo 4º, considerado o mais polêmico e que motivou protestos de diversas categorias da saúde, como fisioterapeutas, enfermeiros e psicólogos, teve nove pontos vetados, inclusive o Inciso 1º, que atribuía exclusivamente aos médicos a formulação de diagnóstico de doenças. A classe médica considera que esse ponto era a essência da lei. Já para as demais categorias o trecho representava um retrocesso à saúde.

Pela lei, ficou estabelecido que caberá apenas às pessoas formadas em medicina a indicação e intervenção cirúrgicas, além da prescrição dos cuidados médicos pré e pós-operatórios; a indicação e execução de procedimentos invasivos, sejam diagnósticos, terapêuticos ou estéticos, incluindo acessos vasculares profundos, as biópsias e as endoscopias. Também será de exclusividade médica a sedação profunda, os bloqueios anestésicos e a anestesia geral.

Já entre as atividades que podem ser compartilhadas com profissões da área da saúde não médicas estão o atendimento a pessoas sob risco de morte iminente; a realização de exames citopatológicos e emissão de seus laudos; a coleta de material biológico para análises laboratoriais e os procedimentos feitos através de orifícios naturais, desde que não comprometa a estrutura celular.

Para o presidente do Conselho Federal de Medicina, Roberto D’Ávila, o Ato Médico não vai mudar as relações da medicina com as outras profissões em nada . Segundo ele, dentro dos hospitais e na assistência privada de saúde, não há “conflitos” sobre o papel de cada profissional. “O perigo sempre esteve na atenção básica. Existem muitas equipes de saúde da família que não possuem médico”, afirma.

Em situações de emergência, segundo D’Ávila, o profissional mais graduado pode sim prescrever um remédio ou realizar um procedimento invasivo que signifique salvar a vida de uma pessoa. Para ele, os médicos também não devem estar sozinhos dentro dos postos de saúde ou dos hospitais. “Precisamos trabalhar em equipe, trabalhando de acordo com a função de cada um, definida pela lei de cada profissão”, diz.

 

Comentários
Publicidade Caitá Supermercados
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui