Apareceu aqui, virou notícia!
(49) 9111 4055
Previsão do Tempo
27-06-2019 | 03:40
GERAL04/03/2013 às 09:45

Fundação de Cultura prorroga até junho exposição sobre 100 anos da Guerra do Contestado

Devido ao grande número de visitantes da exposição Guerra do Contestado: 100 Anos de Memórias e Narrativas, a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) prorrogará o período de visitação. Interessados em conhecer um pouco mais sobre esse importante episódio da história catarinense terão até 2 de junho para visitar o acervo. Peças como armas, fotografias, imagens de santos, de maquetes de locais e redutos do evento estão expostas no Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa, no Centro de Florianópolis. A mostra é gratuita.

Para a montagem da exposição, que tem curadoria do pesquisador Fernando Romero, a equipe de técnicos da Diretoria de Patrimônio Cultural da FCC participou de vários estudos junto aos sítios históricos. Foram visitados os municípios de Irani, Taquaruçu (distrito de Fraiburgo), Três Barras, Porto União, Matos Costa, Calmon e Lebon Régis, além dos museus, arquivos e coleções nas cidades de Irani, Curitibanos, Campos Novos, Mafra, Lages, Porto União, Caçador, Matos Costa e Lebon Régis. O objetivo foi buscar subsídios para a construção das exposições temáticas, além de estabelecer contato com os agentes culturais.

“Outra questão de suma importância, foi poder identificar a situação dos sítios históricos, para desenvolver um processo integrado de conservação desses patrimônios culturais”, explica o presidente da FCC, Joceli de Souza. “Esse é um importante episódio da história brasileira, desconhecido da grande maioria da população”, completa.

Acervo

O acervo colocado à disposição do público durante a exposição está dividido em quatro salas temáticas. A intenção não é contar a história do conflito, mas mostrar as diferentes versões e olhares sobre o episódio. No primeiro espaço, utensílios do dia-a-dia dos caboclos estão à mostra. São objetos como chaleira, panela, lampião, bruaca (usada para transporte de grãos, erva-mate e outros mantimentos), machado e serra.

Na segunda sala, estão expostas as armas usadas nas batalhas. De um lado, os facões dos sertanejos e, de outro, fuzis e projéteis do exército. Em seguida, é a vez das obras que retratam os redutos e conflitos da guerra, em quadros de Déa Catharina Haichmann e Hassis que compõem a sala 3. No mesmo espaço, estão expostas maquetes que reproduzem algumas das batalhas travadas durante a guerra e os redutos onde os caboclos viviam.

Na quarta e última sala, o público pode observar mapas históricos e o acordo de limites que findou a guerra e estabeleceu as fronteiras entre Paraná e Santa Catarina, em 20 de outubro de 1916. Há, ainda, o álbum de viagem do então presidente do Estado, Adolpho Konder, de 1929, que retrata a primeira visita de um governante de Santa Catarina ao Oeste. Essa viagem teve o caráter de cruzada, com a intenção de “ocupar” e “civilizar” a região.


Fonte: Fundação Catarinense de Cultura

Comentários
Publicidade Caitá Supermercados
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui